• White Facebook Icon
  • White Twitter Icon
  • White LinkedIn Icon
  • White Google+ Icon

Associação Nacional de Grupos

de Apoio à Adoção

Realização:

Apoio:

O relato de um juiz

Sou juiz em Farroupilha, RS. Em abril de 2015, fui surpreendido por um casal que

adotou quatro irmãos. Adotar é tudo de bom. Os filhos, venham de onde vierem,

precisam ser adotados.

Eu vi dois anjos

Os anjos existem. Sexta-feira, no foro de Farroupilha, dois anjos sentaram na minha frente.

Eles vestiam roupas comuns. Não tinham asas. Era um casal. Vieram em busca de quatro

crianças. Traziam consigo um menino de 12 anos e uma menina de 8 anos, vindos da Casa

Lar. A menina de 3 anos e o menino de 1 ano, recém-feito, ficaram na Casa Lar. Os quatro

são irmãos.

O anjo-homem suava. Disse que passou a noite sem dormir. Parecia estar numa sala de

parto, observando a mulher que dava à luz quatro nenês. Senti que a qualquer momento

iria desmaiar.

O anjo-mulher deu colo para a menina de 8 anos, como se dar à luz a quatro fosse a coisa

mais normal do mundo.

E há quem não acredite em milagres.

- Sim, vamos adotar os quatro. - Disseram eles.

- E, vocês - perguntei ao menino e à menina –, querem ser adotados por eles?

Os dois apenas riram.

- Quem primeiro me chamou de mãe - disse a mulher -, foi o de 1 ano. Ele estava grudado

na cerca e disse: “Mamãe”.

E lá se vão os quatro irmãos com os seus anjos-da-guarda. Os quatro são muito queridos,

um mais querido e mais lindo que o outro. O mais velho cuida dos demais. A de 8 anos é

a simpatia em pessoa. A de 3 anos, cabelos cacheados e loiros, agarra na mão de quem

quer que seja e não a solta mais. O pequeno é chamado de “Budinha”, pois é a paz e o

sorriso do berçário.

Talvez não saia limão de um pé de jabuticaba, mas que é possível nascer flor no meio da

lama … isso é!

Os genitores, presos por tráfico, foram destituídos do poder familiar. Nem por isso, as

crianças deixaram de ser flores.

Não sei se dará certo. O certo é que anjos existem. Milagres existem. O menino e a menina

ao sair da minha sala me abraçaram. Acho que estavam felizes. Isso me faz chorar. Isso me

emociona. Isso justifica eu ser juiz. Jamais esquecerei: sexta-feira, eu vi dois anjos.

Mario Romano Maggioni